Dor nos Pés

Dor nos Pés – O que Causa Dor nos Pés


Se você quer saber o que pode ser dor nos pés, quais são as possíveis Causas das Dores nos Pés, fique até o final deste artigo que o Dr. André Ramos, reumatologista da Clínica Regenerati e do Hospital Beneficência Portuguesa, especialista em Dor, vai abordar sobre o tema.

Principais Causas de Dor nos Pés

Hoje, o tema é bastante importante, recorrente, que é a dor nos pés. E uma pessoa que chega com queixa de dor nos pés, as causas são múltiplas. Então, cada localização no pé tem uma causa específica de dor e vamos abordar sobre as principais.

Entorse

Vamos começar com a dor e o inchaço nos pés logo após, por exemplo, torcê-lo, o que é muito frequente. Então, quando torcemos, vamos ter o quê? Uma entorse. Ou seja, se já tivermos esse inchaço, essa vermelhidão logo após torcer o pé, é uma entorse.

A questão da entorse é sabermos a gravidade dela. Se você tem um inchaço e certa dificuldade para poder pisar após essa entorse, isso é esperado; o que não é esperado é que esse inchaço seja muito grande, que a dor seja muito intensa e que você não consiga, por exemplo, colocar o pé no chão, não fazer nenhum tipo de esforço com o pé.

Teste de Dor Neuropática Lanns-Eva
Esse teste auxilia a determinar se uma dor é neuropática ou não.

Claro que nas primeiras horas isso pode ser esperado, é inclusive recomendado que se deixe mais quieto esse pé, não force muito, coloque uma bolsa de gelo no local, e espere porque vai passar; no máximo tomar um anti-inflamatório e aguardar um pouco, porque isso geralmente melhora.

Quando não melhora dessa dor e desse inchaço, e você não consegue começar a caminhar, digamos, de uma forma habitual, é hora de ver realmente se teve alguma complicação, como, por exemplo, uma ruptura de um tendão, porque temos vários tendões que fazem com que o pé fique estabilizado.

Então, se você tiver essa entorse que depois de um, dois dias, ainda está muito inchado, bastante dolorido, não está conseguindo caminhar direito, precisa procurar um médico, um ortopedista ou reumatologista, para poder avaliar, ver se precisa fazer, por exemplo, um Raio-X, um ultrassom, para termos um diagnóstico de uma ruptura mais importante das estruturas que estão na região do calcanhar.

Será que tenho Dor Neuropática ? Por quê não passa ?
Esse livro ensina a reconhecer uma dor neuropática e explica porque ela não passa sozinha como outras dores

Fratura de Osso

Caso você, por exemplo, tenha um trauma importante, bata o pé ou calcanhar, cai um peso muito importante e comece com dor e inchaço, necessariamente precisa ir no Pronto Atendimento para poder fazer o Raio-X para ver se não teve uma fratura de algum osso.

Às vezes, inclusive, essas fraturas não são vistas no Raio-X e, necessariamente, por exemplo, você precisa fazer uma tomografia para poder ver se teve uma fratura. Então, se tiver um trauma muito importante, é fundamental procurar um serviço médico nas próximas horas para ver se teve fratura ou não.

Síndrome do Impacto Anterior – Lesões dos Tendões

Além disso, existem outras dores, em região anterior, ou seja, na parte de cima, digamos, do pé, que são relacionadas principalmente às lesões dos tendões que passam na região anterior do pé. É o que chamamos de síndrome do impacto anterior – os tendões que fazem a flexão do pé, ou seja, elevam o pé, são cronicamente lesados.

Está com tantas dores que nem reconhece mais a origem delas ?
Saiba como reconhecer a Dor Neuropática e acabe com ela definitivamente. Marque uma consulta na Regenerati

Isso é muito característico em quem tem artrose. Por exemplo, uma pessoa teve um trauma na região anterior do pé ou tem um trauma mantido a longo prazo, aqueles que usam bota, coturno, como soldados que têm aquela bota mais pesada, têm muito trauma na região anterior do pé.

Às vezes, isso causa pequenas artroses na região dos ossos anteriores do pé e vai fazendo com que haja uma lesão mais crônica desses tendões que passam na região anterior.

E isso vai fazer com que haja uma dor crônica nesses tendões e precisamos fazer, digamos assim, um ultrassom, um Raio-X, para podermos verificar se está tendo lesão desses tendões e, então, fazer a adequação, por exemplo, do tipo de sapato.

Por vezes, você vai precisar fazer infiltração ou uso de medicações mesmo por via oral para podermos ter o controle melhor dessa dor a longo prazo. Mas, principalmente, o que mais estão relacionados a essa dor na região são o peso e o tipo de sapato que você pode estar utilizando.

Síndrome do Impacto Posterior

Outra causa de dor na região dos pés é uma dor mais de localização posterior, na região de trás do calcanhar, que chamamos de flexão plantar do pé – quando fazemos com que o pé fique mais fletido, ou seja, você coloca mais força para baixo no pé –, e isso vai causar uma dor em região posterior do pé; é o que chamamos síndrome do impacto posterior.

Quando o osso maior do calcanhar bate no osso mais profundo da articulação, isso pode causar artrose, inclusive se for mantido de forma crônica, e também pode causar bastante dor.

E é classicamente descrito para, por exemplo, bailarinas, por fazerem muito a posição de ficar na ponta dos pés, portanto uma hiperflexão plantar dos pés. Isso vai fazer com que haja uma predisposição a que esses dois ossos se encontrem mais facilmente, e, consequentemente, faz com que haja uma lesão e cause dor na região.

Tendinite ou Tenossinovite de Tibial Posterior

Outra dor característica da região do pé é uma dor em região posterior mais medial do pé, na parte de dentro, atrás do osso de dentro da perna, que chamamos maléolo medial, o ossinho da parte de dentro, ponta de osso que temos no calcanhar. Quando temos uma dor que fica um pouco atrás e por baixo desse osso, é uma dor que é característica do que chamamos de tendinite ou tenossinovite de tibial posterior.

Essa dor é causada, digamos, pela fraqueza da musculatura da panturrilha. Então, na verdade, ela está na região do calcanhar, do pé, mas a sua causa é por uma fraqueza muscular da panturrilha. Logo, pessoas que têm uma panturrilha mais fraca têm maior predisposição a desenvolver esse problema.

Além disso, pessoas que têm uma sobrecarga desse tendão e ela vem principalmente do peso aumentado, indivíduos que têm mais sobrepeso também, fazem com que esse tendão seja desgastado na região – que é como se fosse um túnel, está muito em contato com os ossos da região do calcanhar – então, o tendão fica bastante em conflito e sobrecarregado.

Nesse caso, as pessoas que têm sobrepeso e a fraqueza da região da panturrilha desenvolvem essa tendinite ou tenossinovite do tibial posterior. E, classicamente, quando você tem uma fraqueza dessa musculatura da panturrilha e um aumento do risco dessa tendinite, dessa tenossinovite, eventualmente, o pé pode ficar plano.

Então, quando você ver aquela pessoa que não tem aquela covinha do pé, muito provavelmente ela tem uma fraqueza dessa musculatura – ela não eleva bem a região do tornozelo medial e isso vai fazer com que o pé dela fique plano, fique um pé sem a covinha.

E se ela, por exemplo, for obesa e tiver um sobrepeso, mais sedentária, não faz exercício, muito provavelmente ela tem um risco muito grande de desenvolver esse problema e essa dor nessa região.

Síndrome do Túnel do Tarso

Outra queixa relacionada a essa região do pé – não necessariamente causa dor, mas pode estar associada a ela, principalmente nos casos mais graves – é o formigamento nas partes de baixo e de dentro, e um pouco na região posterior do pé, e pode ter dormência e dor.

E, por que há localização dessa dor nessa região? Pode ser por conta de compressão de um nervo que passa também próximo, junto a esse tendão que fica por trás do tornozelo, da região medial do pé, e pode causar esse formigamento e essa dor desse local – é o que chamamos de síndrome do túnel do Tarso.

Existe a Síndrome do Túnel do Carpo, que é quando você tem essa queixa de formigamento, queimação e dor nas mãos em uma localização mais característica ou mais conhecida, mas também pode haver, digamos assim, esse mesmo desencadeamento dessas queixas, mas na região do pé. Ela é bem característica e bastante análoga àquilo que acontece nas mãos.

Então, se você tiver o formigamento na parte medial do pé, tem-se que pensar que pode ser uma compressão nervosa dessa região.

Fascite Plantar

Além disso, podemos ter dor em uma localização mais posterior do calcanhar ou na parte de baixo, na planta do pé. A pessoa que acorda de manhã vai colocar o pé no chão e sente aquela dor na região posterior do calcanhar, é bem típico, muito característico da fascite plantar.

A fascite plantar está muito associada a três coisas: a fraqueza muscular – pessoas que não têm o fortalecimento da musculatura do próprio pé; além disso, indivíduos que têm sobrepeso; e pessoas que são pouco alongadas, ou seja, a falta de alongamento. Então, tudo isso são fatores de risco para se desenvolver fascite plantar.

E é uma queixa bem característica: na parte da manhã, você coloca o pé e sente muita dor, com o passar do dia, que vai então caminhando e alongando um pouquinho essa fáscia – que também é popularmente chamada como esporão –, vamos tendo uma melhora.

O esporão é quando há uma calcificação do início da inserção da fáscia plantar. Não necessariamente as pessoas que têm esporão têm fascite, ou seja, tem a inflamação dessa fáscia, portanto tem dor; mas é muito característica a associação entre esse esporão e a fascite plantar.

Tendinopatia do Calcâneo ou Tendinite do Tendão de Aquiles

Outra dor na região de calcâneo, ao invés de ser debaixo do pé, na região plantar do pé, é na parte posterior, mais atrás, na região de inserção do tendão do calcâneo ou tendão de Aquiles.

Quando você tem a dor nessa região, é muito característica de tendinopatia do calcâneo, que é mais conhecida como tendinite do tendão de Aquiles. E também está muito associada àquelas três causas que falamos sobre a fascite plantar: o sobrepeso, a falta de alongamento e falta de fortalecimento da musculatura, principalmente da região da panturrilha. Então, são causas mecânicas bem conhecidas de dor nessa região.

Principais Causas Inflamatórias

Outras dores que podem também estar nessa região, principalmente próximas da inserção do tendão de Aquiles, são as causas inflamatórias.

Espondiloartrites

As principais causas inflamatórias de dor nessa região são: quando você tem dor na inserção, ou seja, não dor no próprio tendão, mas especificamente onde se insere o tendão nessa região, que é chamada de entese.

Quando você tem dor nessa localização, por exemplo, principalmente na parte da manhã, associada a uma rigidez, temos que pensar nas espondiloartrites, que podem ser espondilite anquilosante, espondiloartrite enteropática, espondiloartrite psoriásica. É uma dor bastante característica.

Artrite Reumatoide

Outra doença inflamatória que pode causar dor nessa região, causando bursite na região do calcâneo, é artrite reumatoide, principalmente associada à rigidez, na parte da manhã, e à artrite em outras articulações.

Doenças Microcristalinas

Além disso, você pode também ter bursite, inclusive com acúmulo de cristais, fazendo tofos nessa região por conta da gota ou, por exemplo, da pseudogota – são as doenças microcristalinas, ou seja, doenças que depositam microcristais, que se acumulam nessa região, fazendo então com que haja inflamação no local.

Ela é caracteristicamente associada àqueles ataques extremamente dolorosos que fazem com que aquela região fique inchada e vermelha. Então, sempre que tiver esse inchaço, essa vermelhidão, a formação de algum depósito naquela região, outra coisa que precisamos lembrar são das doenças microcristalinas, principalmente a gota.

Fraturas por Insuficiência

Agora, passando dessa região mais posterior do pé, vamos para a dor na região do meio do pé. Então, quando você tem aquela dor, aquele inchaço na região do meio do pé e ele começa então parecer que é um pãozinho, fica vermelho, bem inchado, temos que ficar de olho em outra condição, que são as fraturas por insuficiência – o osso quebra, porque está fraco.

E essa fraqueza do osso pode ter várias causas, mas a principal delas é por conta de uma condição que chamamos de insuficiência de raio, ou seja, a pessoa tem uma anatomia inadequada que força o meio do pé e essa insuficiência predispõe a quebrar.

Então, por exemplo, a pessoa que tem sobrepeso e uma anatomia que desfavoreça aquele osso, pode fazer com que ele eventualmente quebre. E o mais interessante é que, na maioria das vezes, o Raio-X simples não detecta essa insuficiência.

Às vezes, é importante você fazer um Raio-X, porque se já tiver nele, conseguimos fazer o diagnóstico. Mas, muitas das vezes, lançamos mão, por exemplo, de um ultrassom no consultório e já conseguimos ver aquela fratura, ou então, só conseguimos fazer o diagnóstico mesmo pela ressonância magnética.

Logo, necessariamente, quando você tem uma dor e inchaço localizados na região do meio do pé, na maioria das vezes vai precisar de uma avaliação médica e, portanto, realizar um exame de imagem para poder fazer um diagnóstico de forma adequada.

E, geralmente, você vai precisar, na verdade, só de imobilização por um tempo, mas é preciso fazer o diagnóstico para ter uma imobilização adequada para deixar aquela fratura consolidar.

Artrites

Outra região dos pés é a anterior, então tem uma série de outras condições que vão afetá-la. Quando você tem dor e inchaço nos dedinhos dos pés, temos que pensar, principalmente, nas artrites. As principais delas são artrite reumatoide e artrite psoriásica.

Artrite psoriásica é aquela que está associada à psoríase. Ela é muito característica quando o paciente chega com muita dor nas articulações dos dedinhos do pé e eles estão inchados. Isso é muito característico de quem tem artrite psoriásica, principalmente quando está associada às alterações das unhas na região dos pés ou mesmo das mãos.

Bursite de Intermetatarsais

A dor isolada no dedo dos pés, principalmente nas mulheres que utilizam salto muito alto ou um bico do salto muito fino, está associada, geralmente, ao que chamamos de bursite de intermetatarsais.

Basicamente é uma bursite, ou seja, inflamação das bolsas que fazem a separação entre os ossinhos dos pés. Então, quando aqueles dedos estão muito apertadinhos, inflamam uma daquelas bursas por conta da compressão local e isso faz com que haja inflamação inclusive com inchaço na região do meio dos dedinhos, na parte mais anterior do pé.

Compressão Nervosa

E quando você também tem inflamação dessas bursas, outra coisa quando você não tem essa compreensão, essa causa mecânica, é pensar sempre também em artrite reumatoide.

Outras vezes, essa dor vem na região entre os dedinhos dos pés e, por vezes, está associada à dormência, aos choques naquela região. E isso é característico de compressão nervosa.

Então, existem também nervos que passam entre os dedinhos, entre a parte anterior dos pés, e se forem muito comprimidos naquela região, vão cronicamente inflamando, causando o que chamamos de neuromas, que são como se fossem tumores – o nervo fica crescido naquela região.

Neuroma

Então, quando você tem uma compressão; às vezes, está caminhando e aquele caminhar vai fazer com que haja uma compressão na região anterior do pé, e faz com que haja aquela dor e sensação de choque na região anterior, na maioria das vezes, é um neuroma – tratado com infiltração, adequação do sapato, uso, às vezes, de palmilha, ou, muitas das vezes, inclusive precisa de cirurgia nos casos mais graves.

Joanete

Além disso, temos o “bom e velho” joanete, que mais incomoda por conta da aparência, principalmente as mulheres, do que pela dor, mas pode causar bastante dor também.

E o que é que faz com que haja o joanete? O joanete é uma condição que, na verdade, acomete grande parte da humanidade. Então, muita gente tem joanete e tem aqueles que se importam e aqueles que não se importam.

Isso é decorrente, principalmente, do que chamamos de insuficiência de primeiro raio – é quando nascemos com aquele dedão que é menor, o osso do dedão menor, a região do dedão do pé é mais curta com relação aos outros, e isso vai fazer com que o dedão fique sobrecarregado.

Aquele dedão sobrecarregado cronicamente vai ficando cada vez mais deformado, causando uma artrose e com isso: a perda da cartilagem daquela articulação é que causa dor. Então, quanto mais você sobrecarrega aquela articulação, mais você vai sentir dor.

E como é que se faz para poder evitar de ter joanete? Primeira coisa que precisamos fazer é fortalecimento da musculatura do próprio pé. Então, as pessoas que têm uma infância, digamos, “mais pé no chão”, correm mais, brincam mais na areia, geralmente têm pés mais fortes e isso é um fator protetor.

Além disso, depois que a pessoa já está em uma idade mais adulta, fazer o uso de sapatos adequados, por vezes, fazer uma caminhada sem a sandália, ter mais contato com o chão em si para poder fortalecer essa musculatura. Às vezes, fazer fisioterapia para poder fortalecer a musculatura dessa região, mas é principalmente a utilização de sapatos adequados. Por vezes, você precisa fazer uso de palmilha e naqueles casos de deformidades mais graves, você vai precisar, inclusive, fazer cirurgia.

Predisposição para Dor nos Pés

E, às vezes, você tem uma dor em outros dedos dos pés que geralmente está associada também a uma predisposição, você já nasce com uma alteração anatômica que predispõe aquilo e faz com que aquele raio, ou seja, o segundo, terceiro, quarto dedo fique sobrecarregado pelo peso.

Isso é muito característico de quem tem, ao contrário do que falamos anteriormente sobre o pé plano, aquele pé que não tem a covinha. Às vezes, tem algumas pessoas que nascem com uma cova muito exacerbada e quando você tem essa cova muito exacerbada do pé, vai fazer com que os pés fiquem sobrecarregando o segundo, terceiro, quarto ou quinto dedo do pé.

E isso vai fazer com que haja, por vezes, inflamação, por exemplo, da bursa, do ossinho que fica debaixo do pé, temos os chamados ossos sesamóides, que são aqueles que ficam dentro de articulações na região do pé e podem inflamar aquela região causando metatarsalgia.

Conclusão

Basicamente, o que eu queria dar aqui é uma visão muito geral. Então, temos muitas causas de dores nos pés, não falamos sobre todas, mas acho que deu para ter uma ideia, mais ou menos, das condições que podem causar essas dores.

Então, se você tiver uma dor no pé, é importante prestar atenção onde ela está localizada, quais são as características, se existem outras alterações naquela região. E com isso, vamos poder fazer um exame direcionado e adequado, e começar a tratar de forma mais adequada.

Espero que vocês tenham gostado desse artigo. Se tiverem alguma dúvida, mandem para nós, que vamos dar uma olhada e tentar responder. E se vocês curtiram, por favor, não se esqueçam de dar o joinha e compartilhar com seus amigos, familiares e colegas.

Assista ao vídeo e saiba mais:

Mais Informações sobre este assunto na Internet:

Sobre o Autor:
André de Paula Silva Ramos

CRM: 164.462

Médico no BP Mirante, BP Paulista e São Luis Morumbi. Possui Certificado pela EULAR (Liga Europeia de Reumatologia). Reumatologista especializado em Lupus, artrite reumatoide, artroses, osteoporose, diagnóstico diferencial de fibromialgia, doenças autoimunes e fibromialgia.








Gostou do artigo? Deixe o seu comentário:

Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Não é permitida publicidade (links, banners, etc) na plataforma. O público pode realizar comentários, alterar ou apagar o mesmo. Os comentários são visíveis a todos.

Entre em contato pelo WhatsApp! (11) 96581-5547
Porquê vale a pena um médico particular ?
Porquê fazer um exame no particular ?