Como Saber se Tenho Dor Neuropática?

Como Saber se Tenho Dor Neuropática?


Como Saber se Tenho Dor Neuropática? – A Dor Neuropática é uma síndrome crônica dolorosa, iniciada ou causada por alguma lesão ou disfunção do sistema nervoso central, periférico ou por trauma (dor fantasma). Neste artigo, vamos conhecer melhor o que é este sintoma e como identificamos o problema.

Como Saber se Tenho Dor Neuropática?

O desenvolvimento de ferramentas de triagem simples utilizando questionários (DN4, escala de dor de Leeds, LANSS, entre outros) ajudou a realizar grandes inquéritos epidemiológicos em diferentes países. Com a ajuda das informações coletadas foi estimado que a dor neuropática afeta por volta de 7% a 10% da população (sendo mais comum em mulheres e em pessoas com mais de 50 anos), tendo um grande impacto na qualidade de vida.

A dor neuropática pode estar associada a sinais sensoriais anormais clinicamente caracterizados por:

  • Dor espontânea: contínuo (frequentemente relatada como queimação contínua) ou paroxismos (espasmo agudo ou convulsão);
  • Dor evocada: em alodínia (estímulos sensoriais que normalmente não provocam dor) ou hiperalgesia (aumento excessivo do estímulo doloroso).

Em alguns pacientes, a lesão nervosa desencadeia alterações nos neurônios nociceptivos (neurônios receptores de estímulos agressivos que transmitem a informação para o sistema nervoso central onde é interpretada como dor) que se tornam anormalmente sensíveis e desenvolvem atividade espontânea patológica. Esse fenômeno pode levar a dores espontâneas, dor aguda, assim como hiperalgesia ao calor ou frio.

Teste de Dor Neuropática Lanns-Eva
Esse teste auxilia a determinar se uma dor é neuropática ou não.

Causas para a Dor Neuropática:

  • Diabetes;
  • Herpes;
  • Distúrbio do nervo trigêmeo;
  • Medicamentos;
  • Infecção;
  • Câncer (podendo ser efeito colateral da quimioterapia);
  • Doenças neuropáticas compressivas, como a radiculopatia;
  • HIV;
  • Hepatite C;
  • Doenças do sistema nervoso central (após um AVC, encefalite, entre outras);
  • Lesão traumática ou pós cirúrgica;
  • Amputação de um membro (dor fantasma);
  • Doença vascular que acomete o nervo.

As mais comuns são: neuropatia diabética, neuralgia pós-herpética, neuralgia do trigêmeo, radiculopatia cervical e lombar e polineuropatias medicamentosas e infecciosas.

Sinais e Sintomas de Dor Neuropática:

Será que tenho Dor Neuropática ? Por quê não passa ?
Esse livro ensina a reconhecer uma dor neuropática e explica porque ela não passa sozinha como outras dores
  • Formigamento;
  • Pontadas;
  • Choques;
  • Sensações de calor ou queimação;
  • Alodínea;
  • Hiperalgia;
  • Paroxismo;
  • Rubor (vermelhidão);
  • Frio doloroso;
  • Dormência;
  • Coceira;
  • Hipoestesia ao toque (sensação reduzida).

A melhor forma de saber se uma dor é de origem neuropática ou de outra origem é com um bom exame neurológico clínico completo, com testes de sensibilidade, reflexos e força e detalhamento da dor no histórico. Associado a avaliação de outras possíveis dores associadas ao processo. Por isso, busque sempre o neurologista da sua confiança para ter o correto diagnóstico da sua dor.

Assista ao vídeo abaixo e saiba mais sobre as causas para a dor neuropática:

Fontes:

Está com tantas dores que nem reconhece mais a origem delas ?
Saiba como reconhecer a Dor Neuropática e acabe com ela definitivamente. Marque uma consulta na Regenerati

1 – Peripheral neuropathic pain: signs, symptoms, mechanisms, and causes: are they linked?. L. A. Colvin, P. M. Dougherty. BJA: British Journal of Anaesthesia, Volume 114, Issue 3, 1 March 2015, Pages 361–363, https://doi.org/10.1093/bja/aeu323

2 – Mechanisms of neuropathic pain. D. Bridges S. W. N. Thompson A. S. C. Rice. BJA: British Journal of Anaesthesia, Volume 87, Issue 1, 1 June 2001, Pages 12–26, https://doi.org/10.1093/bja/87.1.12

3 – Neuropathic pain: a clinical perspective. R. Baron. Handb Exp Pharmacol. 2009;(194):3-30. doi: 10.1007/978-3-540-79090-7_1. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19655103

4 – Neuropathic pain. L. Colloca, T. Ludman, D. Bouhassira, R. Baron, A. H. Dickenson, D. Yarnitsky, R. Freeman, A. Truini, N. Attal, N. B. Finnerup, C. Eccleston, E. Kalso, D. L. Bennett, R. H. Dworkin, and S. N. Raja. Nat Rev Dis Primers. 2017 Feb 16; 3: 17002. Published online 2017 Feb 16. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5371025/


Sobre o Autor:
Willian Rezende do Carmo

CRM: 160.140
RQE: 50.546

Fundador da clínica Regenerati. Médico do Sirio Libanes, BP Mirante e Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Neurologista especializado em dor, sono e disturbio do movimento (Parkinson e tremor).





Gostou do artigo? Deixe o seu comentário:

Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Não é permitida publicidade (links, banners, etc) na plataforma. O público pode realizar comentários, alterar ou apagar o mesmo. Os comentários são visíveis a todos.

Entre em contato pelo WhatsApp! (11) 96581-5547
Porquê vale a pena um médico particular ?
Porquê fazer um exame no particular ?